Como utilizar a planta livre em seus projetos e otimizar espaços?

Por Compose / 30.01.2020
Como utilizar a planta livre em seus projetos e otimizar espaços?

A planta livre, também conhecida na arquitetura como open plan, tem como premissas integração e funcionalidade. A solução é ideal para quem deseja criar ambientes mais amplos, receber amigos e manter os familiares sempre por perto.

Projetos com essas características inspiram leveza e sofisticação, os espaços são otimizados e, ao contrário do que muitas pessoas podem pensar, não reduzem a privacidade daqueles que usufruem da sua funcionalidade, sendo uma forte tendência para a arquitetura contemporânea. Confira as características dos projetos de planta livre e suas vantagens neste artigo!

Como é o conceito de planta livre?

 

planta livre

Studio Beige 90x90

 

Inspirados em lofts nova-iorquinos, o conceito de planta livre não é tão recente como se pensa — foi publicado a primeira vez em 1926, por Charles-Edouard Jeanneret-Gris — Le Corbusier, um arquiteto suíço naturalizado francês que acreditava na independência das estruturas sem prejuízo estrutural.

Com isso, a falta de sustentação em função da inexistência de paredes divisórias não interfere na estabilidade da estrutura: as vigas, colunas ou pilares estão presentes e garantem a aplicação desse projeto.

A planta livre é característica, portanto, de projetos sem paredes internas — algumas vezes, até externas, que podem ser substituídas por vidros, para se aproveitar ao máximo a luminosidade e a ventilação natural.

O objetivo é garantir a flexibilidade necessária àqueles que priorizam mudanças pontuais — sem limitações, o que permite a retirada ou adição de cômodos, tanto pela estruturação de paredes em gesso quanto por meio da troca de lugar dos móveis!

A sustentabilidade também é uma excelente característica do conceito:

·        maior economia de materiais na obra;

·        agilidade na execução dos projetos;

·        menor demanda pelo uso de aparelhos elétricos para iluminação e de ar-condicionado;

·        versatilidade.

Normalmente, os cômodos integrados são: salas (de jantar e estar), home office e a cozinha ou área gourmet (uma varanda, por exemplo). Por isso, ao contrário do que muitos acreditam, a planta livre não interfere na privacidade dos moradores, mas, sim, aumenta a possibilidade de convivência em áreas comuns.

A planta livre também pode ter vista para áreas externas e se tornar uma excelente opção para integrar a residência à sua paisagem. Além disso, é uma boa escolha para cômodos comerciais, que demandam grandes áreas de convivência, como bares, restaurantes e recepções de hotéis.

Como aplicá-la aproveitando todas as suas vantagens?

 

planta livre

Tribeca Grey AD4 90x90
Arosa 26x106

 

A aplicação do conceito é simples! Basta ter planejamento no momento da obra, já que toda a parte estrutural deve ser devidamente calculada para que a ausência de paredes não prejudique a segurança das pessoas.

No projeto, é possível decorar o ambiente como o você preferir: a amplitude visual e física pode ser dimensionada com móveis, divisórias e objetos de decoração.

A interação é a grande sacada dessa nova estrutura, os moradores ganham mais liberdade na criação de seus ambientes e mais homogeneidade no visual, por meio da integração entre os cômodos.

Apesar disso, é necessário manter a organização de toda a estrutura, uma vez que uma pia bagunçada pode ser vista do hall de entrada. É interessante também optar por um revestimento funcional, que seja de fácil manutenção para ter esse cuidado com a beleza e a sofisticação do projeto.

 

Fonte: Blog Biancogrês