Arquitetura inclusiva: projetando conforto e comodidade para os idosos

Por Compose / 19.06.2019
Arquitetura inclusiva: projetando conforto e comodidade para os idosos

A população brasileira está vivendo mais! Por isso, a arquitetura inclusiva tem se tornado cada vez mais necessária para adequar as edificações aos usuários. Nesse sentido, a acessibilidade é um ponto fundamental para garantir o conforto e a segurança dos nossos amados idosos.

A população brasileira está vivendo mais! Por isso, a arquitetura inclusiva tem se tornado cada vez mais necessária para adequar as edificações aos usuários. Nesse sentido, a acessibilidade é um ponto fundamental para garantir o conforto e a segurança dos nossos amados idosos.

Por muito tempo, as questões de projeto inclusivo foram deixadas de lado. No entanto, tem ganhado mais destaque nos últimos anos, com o objetivo de tornar os espaços mais confortáveis e seguros para a melhor idade — e para todas as idades.

Ficou interessado em saber mais? Continue conosco e entenda mais sobre a arquitetura inclusiva e como incluí-la em seus projetos!

O conceito e a importância da arquitetura inclusiva

Apesar de o envelhecimento parecer uma questão exclusiva da área da saúde, a verdade é que todas as outras áreas de conhecimento têm como contribuir para que haja equidade no uso dos espaços.

Também conhecida por desenho universal, a arquitetura inclusiva tem como objetivo permitir que pessoas com qualquer tipo de limitação — temporária ou permanente — possam fazer uso dos vários ambientes com autonomia, conforto e segurança. Isso inclui desde pessoas com deficiência até a mobilidade reduzida de obesos, grávidas e idosos.

Diversas pesquisas indicam que os idosos sofrem muitos acidentes domésticos — alguns até de alta gravidade. Com frequência, esses acidentes seriam evitados com adaptações das mais simples às mais complexas, tais como instalação de barras de segurança, troca de piso, fixação de tapetes e outros. É possível fazer excelentes ajustes em espaços já prontos, mas o ideal é que o arquiteto preveja soluções acessíveis desde o começo do projeto.

Como incorporar a arquitetura inclusiva em projetos

O ideal é que as edificações já sejam projetadas prevendo o atendimento a essas demandas, pois há maior percepção de qualidade nos projetos que exijam menos reformas e adaptações ao longo de sua vida útil.

Entretanto, qualquer local pode ser reformado, de maneira a fornecer a segurança física e emocional que os idosos tanto precisam. E, ao contrário do que muitos pensam, a arquitetura inclusiva requer mais soluções inteligentes do que custosas e complexas.

Revestimentos e acessórios

Os acabamentos de piso devem ser antiderrapantes, sem brilho excessivo, bem nivelados e regulares, não apenas em ambientes molhados como em toda a residência. Aqui, empregar uma mão de obra e materiais de revestimento de alta qualidade — ou seja, priorizar a excelência do serviço — é fundamental.

Em banheiros, é crucial a instalação de barras de apoio, tanto na área do box quanto próximo à bacia sanitária. Nelas, o idoso se apoia enquanto muda de posição, evitando sobrecarregar suas articulações ou escorregar. Para quem tem mobilidade reduzida, existem bancos dobráveis que podem ser afixados à parede, permitindo sentar durante o banho.

Iluminação

A iluminação é especialmente importante em áreas com degraus, rampas e bancadas de cozinha ou banheiros para dar boas condições de visibilidade à tarefa a ser executada. Portanto, luminárias de acionamento fácil são bem-vindas.

Já a iluminação geral dos ambientes precisa ser uniforme, sem áreas de sombra que possam prejudicar a visibilidade. O projetista deve atentar para não instalar um excesso de iluminação que cause ofuscamento e desconforto.

Mobiliário e decoração

Ao escolher peças de mobiliário como mesas, camas e sofás, o ideal é preferir os de formato arredondado. Isso reduz a chance de ferimentos e machucados mais graves, caso haja algum esbarrão. Os tapetes, por sua vez, devem ser grudados no piso ou receber alguma aplicação que os impeça de deslizar por acidente.

As circulações devem ser mantidas amplas e livres de objetos que possam atrapalhar a passagem — especialmente quando há uso de cadeiras de rodas ou outros instrumentos que facilitem o deslocamento.

Dispositivos de acionamento

Maçanetas, torneiras e botões devem ser de acionamento fácil, de preferência por 1/4 de volta, alavanca ou touchscreen, no caso da automação. Uma solução inteligente é programar sensores para o período da noite, que acendam a iluminação e possibilitem a chegada ao banheiro em segurança.

A arquitetura inclusiva vai além de projetar rampas e instalar certos tipos de revestimentos: considera os mínimos detalhes, desde a iluminação até os metais e acionamentos necessários a cada ambiente.

O papel do arquiteto é fundamental para equilibrar a estética com as necessidades técnicas e de segurança para o bem-estar dos idosos e dos demais usuários dos espaços.

Fonte: Blog Biancogrês